Quando se deixa sair “o salazar” escondido

Dirigente do CDS Mangualde

Todos têm o direito de dizer asneiras. Todos têm o direito de defender os seus ideais. E os militantes do CDS PP também. Aliás espero que estejam gratos aos socialistas quem em 74 e 75 os defenderam. Podem não gostar do governo.Tudo bem.

Agora questionar a legalidade… a legitimidade… das duas uma: ou não sabem do que falam ou são apenas “raivosos”.

Agora trazer para discussão em termos escritos, a cor da pele… a origem… é apenas trazer cá para fora os velhos conceitos “de superioridade da raça”, os velhos ideais “do velho salazarismo” que durante o resto do tempo andam escondidos. Quando a raiva é muita a coisa sai…. É  pena.

Subvenções e disparates – ou será que a água do Porto está inquinada?

Felizmente o bom senso imperou e a proposta foi retirada. Mas o mal está feito.

Em primeiro lugar tudo isto resulta da herança Seguro. Sim o partido continua ao Deus dará, sem líder e sem órgãos. Cada um faz o que lhe apetece e todos se posicionam para os jogos de poder no congresso.

Só assim se entendem as posturas despropositadas de Assis, sobre uma aliança com o PSD, de Lelo (continua o mesmo parolo) e mesmo de alguém respeitável como remato Sampaio que vem falar no sacrifico dos pobrezinhos dos deputados antifascistas. Haja juízo e bom senso.

Vivemos num momento em que o PSD tudo faz, com o apoio dos jornais e televisões ao seu serviço para atacar Costa. Este antes de ter o poder não se pode defender. Os socialistas deviam, portanto, estar tranquilos sossegados, concentrar o ataque a um orçamento que vai trazer mais um brutal aumento de impostos. Em vez disso e sobretudo a rapaziada do Porto resolve inventar.(ou será que se estão a posicionar????

O PSD com o apoio de um tal Lelo resolveu aprovar um novo regime de subvenções. Caiu o Carmo e a Trindade e a torre dos Clérigos. A confusão foi lançada. Os jornais disseram propositadamente o contrário e alguns socialistas foram no engodo.

O PS tem com bandeira da sua história ter terminado graças a Sócrates com as subvenções aos políticos. Foi O PS que o fez. E desde 2005 apenas os que já tinham direito a essa subvenção continuaram a receber. E foi assim em 2006.. 2008…..até 2013. Em 2014 o governo na sua zanga com todos os reformados e afins suspendeu esta subvenção. No atual orçamento repetia a suspensão. O problema é que o tribunal constitucional obviamente entendia que estas e outras medidas contra reformados e direitos adquiridos eram inconstitucionais e apenas deixou passar por um ano

Lembraram-se a rapaziada do PSD aliado a alguns inteligentes do PS que seria melhor alterar a medida no orçamento em vez de esperar pela posição do tribunal.

O PSD encolheu-se e para a opinião pública passou que foi o PS que colocou de novo as subvenções e claro passou a ideia de ser para todos os deputados.

Politicamente foi um ataque a Costa que nada podia fazer. Foi mesmo uma traição de alguns socialistas. E como ninguém explicou…. Porque ninguém tem a obrigação de explicar… dado o vazio. E afinal qual é a pressa? Não tinham nada de mais importante?

A medida em si é justa. Os deputados devem ser tratados como qualquer outro. E se o PS defende que as reformas não sejam penalizadas deve defender que as subvenções também não sejam. Mas nesta altura? Antes do congresso? Só se pode entender se o objetivo for criar dificuldades a Costa… ou então é a água do Porto que está inquinada. Um erro de palmatória que vai custar muito a recuperar.

Também seria bom…

… que o MEC pensasse na logística antes de lançar Cursos que supostamente deviam responder “a necessidades dos alunos”…”necessidades mais práticas”…

 

A parte de “o ano letivo abriu bem” é a piada que o ministro conta para tirar aquele ar sério à pobre menina que o está a entrevistar!!! (com uma tal subtileza que nem se chega a perceber a piada).

“Há SEMPRE UM OU OUTRO PROBLEMA LOGÍSTICO”…esqueceu-se de dizer que em muitos casos esse “piqueno” problema logístico compromete o sucesso de qualquer medida que um professor queira trabalhar com um mínimo de seriedade!

Como pensa o Ministro que se consegue trabalhar nas disciplinas ditas práticas se, por vezes, nem material, nem espaço físico existe? Design e fotografia, massagista, canalizador, cozinheiro, eletricista….muito bem mas como?…

Brincamos…de novo!!!

(Um outro dia falarei do que é que REALMENTE SE PRETENDE com estes cursos VOCACIONAIS)….

SEMPRE…a somar: mais uma trapalhada!

Directores dizem não ter professores suficientes para garantir Inglês obrigatório no 1.º ciclo. Ministério frisa que utilizar os “recursos humanos existentes” será prioritário

 

O Conselho Nacional de Educação deverá aprovar, em Janeiro, o parecer sobre a obrigatoriedade do ensino de Inglês no 1.º ciclo, que lhe foi pedido pelo ministro Nuno Crato, diz novo presidente daquele organismo, David Justino. Até lá, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) não tenciona avançar mais nada sobre esta alteração defendida por Crato, apresentando-a como “uma questão em aberto”. Mas há algo que a tutela informa desde já: “A prioridade é sempre a da utilização dos recursos humanos existentes.”

O que são…  “recursos humanos existentes”? HEIN??? A Dª Filomena da papelaria? O Sr. Elísio, cozinheiro diplomado? Vão ensinar Inglês? Perfeito! Já que houve cozinheiros a vigiar exames nacionais…lembrais-vos? EU NÃO ESQUECI!!!

Era obrigatório….deixou de ser….amanhã se verá….

Afinal não há professores...quando se dizia que havia demais???

“Já Filinto Lima, que preside à Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP) e dirige o agrupamento Costa Matos, em Gaia, defende o Inglês no currículo do 1.º ciclo, mas diz estar “plenamente convencido” de que será preciso contratar mais professores para além dos que estão no quadro.”

Ahah….