Túnel do Marão – Sócrates tinha razão

Foto Renascença

Os números negros da sinistralidade no Itinerário Principal 4 (IP4) sustentaram a reivindicação de uma via alternativa na área dos concelhos de Amarante e Vila Real, e onde, em 20 anos, morreram 136 pessoas. A Auto-estrada do Marão, a maior obra pública dos últimos tempos em Portugal, representa um investimento global de 398 milhões de euros, dos quais 89 milhões são financiamento comunitário.

Esta auto-estrada foi lançada em 2008, pelo Governo socialista de José Sócrates, como uma parceria público privada.

A obra arrancou em 2009. Na altura, Sócrates afirmou que a via “vai acabar com a ideia de que haverá pessoas para cá do Marão ou para lá do Marão” considerando tratar-se de uma “obra histórica que ligará Trás-os-Montes à rede de auto-estradas do país” e que “marcará um antes e um depois”.

O Túnel do Marão, maior da Península Ibérica com 5,6 quilómetros, rasgou a serra do Marão entre Amarante e Vila Real e demorou sete anos a concluir. É inaugurado este sábado.

Obrigado Sócrates

Sócrates marca pontos

A entrevista de José Sócrates representa uma viragem importante na perecepção do problema

Entrevista – clique para ouvir

Sendo certo que muitos ainda confundem a crítica ao seu governo com o processo judicial , começa a ser demasiadamente evidente para muitos portugueses e para muitos comentadores que algo está podre. Que não é possível um ano depois não existir sequer acusação. Que não é possível mudar-se constante as acusações. Os indicios que apontam para que este possesso tenha sido conduzido por critérios políticos são muitos.  Mal vai a justiça se isto se confirmar.

Ainda e sempre Sócrates – Juízes arrasam Alexandre

Juízes arrasam

“O nosso processo penal tem que ser democrático não só nos seus princípios mas sobretudo no exercício constante da sua prática”, advertem. Para concluírem com uma citação do Padre António Vieira: “Quem levanta muita caça e não segue nenhuma, não é muito que se recolha de mãos vazias”.

O acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa que permite aos advogados de José Sócrates acederem por fim a todo o processo em que o ex-primeiro ministro é arguido contém duras críticas não apenas aos investigadores liderados pelo procurador Rosário Teixeira, mas também ao juiz de instrução criminal Carlos Alexandre, que tem viabilizado os pedidos do Ministério Público destinados a manter o caso em segredo de justiça.

“Ou existem razões plausíveis de direito que mexem com a investigação (…) ou não faz qualquer sentido” manter o sigilo, escrevem os juízes Rui Rangel e Francisco Caramelo, “sendo ilegal abrir esta ‘auto-estrada’ de um segredo sem regras e sem ‘portagem’”. Para os magistrados, mais grave ainda é o facto de esta “’auto-estrada’ do segredo sem regras” ter “passado sem qualquer censura pelo juiz de instrução, desprotegendo de forma grave os interesses e as garantias de defesa do arguido – que, volvido tanto tempo de investigação, desde 2013, continua a não ser confrontado, como devia, com os factos e as provas que existem contra si”.

Mais adiante, noutra das partes do acórdão a que o PÚBLICO teve acesso, pode ler-se que “nada justifica que uma investigação que se iniciou em 2013 se tenha mantido todo o tempo em segredo” e criticam-se as justificações “genéricas, vagas e indeterminadas” usadas pelo Ministério Público para manter o sigilo. Tanto o pedido feito pelos procuradores para não ser levantado o segredo de justiça como o próprio despacho de Carlos Alexandre viabilizando essa pretensão “não cumpriram os ditames legais, porque para além de não se encontrarem fundamentados assentam num pressuposto errado que fere a lei e os princípios gerais de direito”. Afinal de contas, dizem Rui Rangel e Francisco Caramelo, o sigilo não pode servir de “arma de arremesso ao serviço da ignorância e do desconhecido”.

—————–

Resumindo o Sol e o correio do manhã tinham acesso ao processo. O arguido não tinha.

Sócrates reafirma inocência

Do Jornal Público

O Circo continua. As telvisões e jornais passam horas sem nada dizer .AH e o DDT foi hoje sujeito a buscas . Meses depois para ter tempo de destruir qualquer prova… enfim

Hoje os jornais publicam uma pequena carta de Sócrates. Gostei do conteúdo, da reafirmação da inocencia, da coragem e vontade em engrentar a canalhice.

Vejamos alguns pormenores:

“A minha detenção para interrogatório foi um abuso e o espectáculo montado em torno dela uma infâmia; as imputações que me são dirigidas são absurdas, injustas e infundamentadas; a decisão de me colocar em prisão preventiva é injustificada e constitui uma humilhação gratuita.”

“Não tenho dúvidas que este caso tem também contornos políticos e sensibilizam-me as manifestações de solidariedade de tantos camaradas e amigos. Mas quero o que for político à margem deste debate. Este processo é comigo e só comigo. Qualquer envolvimento do Partido Socialista só me prejudicaria, prejudicaria o Partido e prejudicaria a Democracia.”

Este último parágrafo é particularmente importante e espero que seja compreendido por todos aqueles que gostariam de uma intervenção mais ativa. Sócrates sabe porque diz isto.

Afinal o que podemos fazer em relação a José Sócrates?

Todos nós, socialistas,  desejamos certamente agir em defesa de Sócrates. Devemos, no entanto, ter muito cuidado.
Fazer coisas por impulso dá mau resultado e pode prejudicar a defesa de José Sócrates. Lembrem-se que qualquer manifestação a favor, seria seguida por outra da direita (aliada ao PCP) maior que a nossa. Qualquer precipitação permite a acusação que se está a interferir na justiça , que se está a colocar em causa a ordem pública.
Creio que devemos todos aprender com o que se passou com o caso “Casa Pia”. Por exemplo Paulo Pedroso foi ilibado , teve direito a indemnização… e depois… todos o consideram culpado. Não esperem milagres. Sócrates vai passar anos em prisão preventiva. Eles vão tentar humilhar ao máximo. Portanto, temos de ir convencendo os Portugueses e isso não se fará com agressividade, nem com manifestações.
Devemos ler com muita atenção os textos das figuras principais que sempre estiveram o lado de Sócrates e perceber a estratégia. Estarmos fortes no partido, unir o partido, relembrar o trabalho positivo de Sócrates e do seu governo e exigir explicações é o nosso papel. Insistir na defesa de Sócrates e do trabalho do seu governo é o nosso papel. Apontar as contradições do processo é o nosso papel. Tudo o resto deve ser feito com muito cuidado para não prejudicar José Sócrates.

E vou mais longe. O principal contributo que podemos dar é fazer com que o PS ganhe e retire esta escumalha do governo. Para isso o apoio a António Costa, que está numa posição muito complicada é fundamental. Seguir a estratégia em conjunto é fundamental.

Não estamos no PREC. Temos muitas armas que podemos usar bem. Podemos fazer opinião. Deixem-nos poisar… cá estaremos. Mas não vamos entrar no jogo das “cabras” e afins…

Coincidências jurídicas

«TAL PAI, TAL FILHA E TAL FILHO: ASSIM VAI A JUSTIÇA EM PORTUGAL…

José Marques Vidal (o pai), magistrado, foi Vice-PGR e Director Nacional da PJ, escreveu textos reaccionários no semanário «O Diabo» e brindou-nos um dia com esta pepita na TVI: «Há uma classe que eu abomino: é a classe política».

Joana Marques Vidal (a filha), é a Procuradora-Geral da República nomeada pelo PR, Cavaco Silva, sob proposta do primeiro-ministro, Passos Coelho, para substituir Pinto Monteiro, odiado pelo pai, pelo filho, pelo PPD e pelo CDS.

João Marques Vidal (o filho) destacou-se como procurador do DIAP de Aveiro, no processo «Face Oculta», reclamando a publicação das escutas a José Sócrates mandadas apagar peolo então PGR, Pinto Monteiro, e pelo então presidente do STJ, Noronha do Nascimento. Queria extrair uma certidão dessas escutas para processar José Sócrates por atentado ao Estado de Direito.

Portugal está, hoje, completamente nas mãos da direita mais reaccionária: na Presidência da República, no Governo, na Assembleia da República, na Justiça, na maioria dos órgãos de Comunicação Social, e por aí fora.
A Justiça não é completamente cega, é zarolha…» Por Alfredo Barroso

Sim, solidário com Sócrates é claro

Todos sabíamos que mais dia menos dia chegaríamos a esta situação. Ela vem no momento certo para prejudicar o PS e António Costa. A campanha de intoxicação estava a aumentar e a direita insistia na ligação.

Mais do que dizer que neste momento Sócrates é inocente até chegar ao fim o julgamento a minha mensagem é outra.

Sócrates foi o melhor primeiro ministro de Portugal desde a democracia. Estou solidário com Sócrates e acreditarei sempre na sua inocência. Até ao dia em que ele próprio afirmar o contrário. Só isso me fará mudar de opinião.

Espero que o PS saiba ser solidário