Pessoal – mais uns exames … mais uma corrida

Creio que disse por aqui que no dia 2 de fevereiro , fui fazer as análises e tac de controlo.

A consulta estava prevista para o dia 17, mas teve de ser adiada para Maio. De qualquer forma já consegui falar com o meu médico assistente,a através da secretária, que é uma funcionária simpática e com um aspecto muito “saudável” e está tudo bem e normal.

Os primeiro cinco anos já lá vão. Vamos para os segundos.

 

Pessoal. E chegaram os 5 anos depois da operação

Fui hoje ao IPO fazer exames de rotina, nomeadamente uma TAC. Agora é esperar 15 dias pela consulta para saber os resultados. São sempre dias de alguma ansiedade.

Em 31 de Janeiro de 2010 entrei no edifico da cirurgia para a preparação da operação. Esta foi feita no dia 1 de Fevereiro , com alta a 9 de Fevereiro. Assim sendo, acabaram de passar 5 anos. Eu sei que uma simples questão de análise estatística , não tem verdadeiro significado , mas não deixa de ser um marco. Estou portanto a comemorar as minhas “Bodas de Madeira” pós operatórias. O meu voto é que chegue às bodas de Estanho ou Zinco, ( 10 anos) e depois pedirei as de cristal e assim sucessivamente.

A cirurgia foi do ponto de vista físico um processo razoável, com alguns problemas, mas nada de especial. Psicologicamente foi mais difícil é claro. Sobretudo porque era tudo novo. Praticamente nunca tinha estado num hospital e em médicos quase nunca. A informação era escassa. Nós precisamos de saber como é que se se reage a uma cirurgia, que tipo de dores vamos ter, o que acontece, como nos sentimos com  a anestesia, etc etc etc… E sobre isso não existe nada. Não existem relatos de experiências. Para complicar entrei no dia em que o meu pai faria anos, no dia em que ele também entrou para um hospital para ser operado anos antes, também a um tumor no intestino ( muito mais simples que o meu… aparentemente). Fui operado no mesmo dia em que o meu pai tinha sido. Só que o meu pai alguns dias depois teve uma reacção à anestesia e acabou por ser vitima da famosa assistência nos hospitais durante o fim de semana. Faleceu no dia 6 de Fevereiro . E não é que, com tanta coincidência, tive na minha frente , na cama em frente, um doente que teve precisamente a mesma reacção à anestesia. Foi salvo, mas teve de ser amarrado, conseguia partir as amarras, arrancar tudo , gritar, falar…. Coincidências lixadas. Foram dois dias dolorosos.

Da operação recordo apenas aquela cena dos filmes. A ser levado de maca com as luzes do tecto a passar… entrada na sala. Os focos sobre mim, música muita alta. ( na primeira intervenção simples para me colocarem o cateter, o médico esteve sempre  cantar um tema do José Cid.) Aqui era uma musica qualquer pop-rock. Ouço alguém dizer “??? de qualquer coisa” e apaguei.  Algumas horas depois recordo a mesma voz a dizer: “pronto acordou pode seguir” e lá me levaram para umas horas meio a dormir meio acordado. Ainda me lembro de ter uma visita do meu cunhado e eu cá para mim: Não sei se tente falar com este gajo. Se calhar até estou a sonhar e nem sei se ele está cá ou não. Vou mas é dormir outra vez. Depois  pensava que tinha acordado e ainda estava na operação. E tentava dizer: Olhem que estou acordado não me operem. ( fruto de uma história de um vizinho de operação que quando foi operado da primeira vez há bastantes anos , calcularam mal a anestesia e ele acordou  a meio)…  enfim… histórias.

Ate´que no dia seguinte, no dia 2 ainda na unidade de cuidados intermédios,  levaram-me para um cantinho num pequeno quarto ao fundo, para estar junto da minha mulher que estava de visita. E entrava sol no quarto. ( A enfermaria onde estava em recuperação não tinha janelas, era escura e com muitas máquinas de apoio. ) ali … estava sol, claridade luz, calor. Acho que renasci nesse dia. Foi o primeiro momento de felicidade . Isso e alguém dizer. Zé já não o tens. Já lá não está…. Não é bem assim, eu sei, mas já lá não estava.

De razoável…a pior…de cavalo, para burro…da chuva, para o rio…ou isso…..

Este governo nosso tem ideias estranhas, muito estranhas.

Ora bem….

Refiro-me hoje à Saúde, ou à falta dela…

Se alguém quer marcar uma consulta no seu médico de família para tratar um assunto cujas entidades oficiais exigem que seja tratado APENAS pelo médico de família, e não outro, igualmente qualificado para tal… e essa consulta é marcada para meados de agosto o desfecho é unicamente um: a deterioração, primeiro parcial e depois total, da saúde de muitos cidadãos podendo culminar na morte.

Meados de agosto, hein?

E isto porque se reduz o número de médicos. Reduz-se o número de enfermeiros. Reduz-se tudo exceto a estupidez!

Dia da prevenção – 3 de Junho em Mangualde

No dia 3 de junho, Mangualde vai dedicar o dia à prevenção. A iniciativa integra-se na ‘III Semana da Saúde’ e é promovida pela Câmara Municipal de Mangualde. Neste dia será possível participar numa Pista de Prevenção de Acidentes, promovida pela GNR, no Largo Dr. Couto e numa sessão de informação sobre a “Prevenção de Acidentes em idade escolar” pela Unidade de Cuidados na Comunidade, no Auditório da Câmara Municipal de Mangualde. Estará ainda patente a exposição/apresentação do “Projeto + Contigo” (8º ano), numa organização conjunta da Unidade de Cuidados na Comunidade e do Agrupamento de Escolas de Mangualde, no Átrio Câmara Municipal de Mangualde.

No passado fim de semana, 30 e 31 de maio, Mangualde promoveu um conjunto de atividades cujo objetivo era promover o bem-estar e os estilos de vida mais saudáveis. As iniciativas inserem-se na III Semana da Saúde que decorre até ao próximo dia 4 de junho.

Uma atividade da semana da saúde

As coisas andam cada vez mais complicadas na área da Saúde .

Na sexta fui ao IPO de Coimbra para um tratamento de rotina. Consegui saber também os resultados de exames feitos em fevereiro e está tudo bem. A consulta tinha sido adiada, mas recebi a informação que os resultados tinham sido analisados e assim a consulta pode ser feita mais tarde.

Como tenho dito sempre fui bem tratado no IPO de COIMBRA, onde médicos, enfermeiros e funcionários fazem um trabalho complicado e com condições que nem sempre são as melhores. Tenho, no entanto, notado ao longo dos tempos que as dificuldades aumentam.

E desta vez isso foi claro. Pela primeira vez, assisti a pequenas discussões na sala de espera entre doentes ou familiares com os funcionários por causa de dificuldades de marcação de consultas ou adiamento das mesmas. Uma referia que o médico a mandou fazer uma consulta complementar na Covilhã, mas afinal teria de esperar um ano pela consulta nesse hospital, outra discutia a mudança de médico.. coisas assim.

Em conversa com algumas pessoas percebi que o número de doentes está a aumentar, que as prometidas obras nunca mais se fazem. Os médicos têm a lista totalmente preenchida e acabam por obviamente ter de dar prioridade aos que estão em tratamento de quimio e aos que estão com mais necessidade de controlos.

O IPO recebe cada vez mais doentes em função de algumas organizações e outros hospitais não recebem doentes que eles tentam enviar. A doença também está a aumentar e os novos casos surgem em todo o lado. Está a começar a “rebentar pelas costuras”

Não restam dúvidas… as politicas do Macedo d do PSD de destruição do serviço público de saúde vão dando resultados. Os profissionais são bons, melhor muito bons, mas precisam de condições.

Uma cama adiada!

Andei toda a semana doente. 

Andei toda a semana com  arrepios, febre, náuseas, nariz a pingar, dor de garganta, dores de cabeça, arrepios de novo…mas sempre a adiar uma ida à cama…que uma mulher tem compromissos para com os alunos e há que os cumprir.

Agora sim, estou de cama. Merecidamente de cama a tentar recuperar de uma rinofaringite aguda.

Mas a semana foi particularmente difícil (gente mal educada , mal formada, gente amorfa…) e hoje dou comigo a pensar que se tivesse ficado de cama logo na 3ª feira tinha escusado uns dias de sofrimento e de agonia.

Depois dou comigo a pensar : “Isabel…quantas semanas, quantos meses, quantos anos  assim vais aguentar, hein? Já deste tanto à Escola, já tiveste a tua quota-parte de desilusões, já tens as tuas doenças…que só irão agravar-se, sabes disso…Já passaste por tanta Reforma no Ensino, já tiveste de te adaptar a tantas “novidades”, já serviste de professora, confidente, assistente social e estás sujeita… ao menor incumprimento, ou ao menor protesto a levar “porrada da feia”. Tens noção disso, não tens, Isabel?”

“Isabel, Isabel” – pensei- ” tu sabes que a Vida são 2 dias… sabe-lo melhor que muitos; tu sabes que tudo é tão efémero…Então por que te martirizas e levas para casa os problemas que te afligem na escola? Por que suportas a doença, as dores só para não faltares a umas aulas? Por que não vês as tuas sobrinhas crescer e te enfias nos livros e planificações a preparar aulas que poucos querem ouvir?  Por que te cansas a preparar estratégias e atividades quando muitos alunos não querem aprender…querem apenas as classificações, querem boas notas, só isso mas… sem esforço….”

“Por que te calaste naquela reunião (enquanto o teu coração batia descontroladamente…de nervoso e revolta) e durante duas horas presenciaste mais uma revelação de total e absoluta inutilidade elevada ao quadrado e foste depois, cansada,  para casa fazer noitada a corrigir testes?”

“Isabel…vai ser assim o teu dia a dia até aos 66 anos, sabes disso? Na melhor das hipóteses não terás de ver aumentadas de 40 para 45  horas de trabalho semanal o teu horário de trabalho. Na melhor das hipóteses não terás um processo disciplinar por teres dado um “berro” mais alto que ofendeu “O Colega”…na melhor das hipóteses não deteriorarás a tua saúde  a ponto de teres de ficar sujeita aos mandos e desmandos de juntas médicas….

Isabel…a este ritmo e com esta pressão, na melhor das hipóteses chegarás aos 66 anos, mulher! Tens consciência disso, não tens?”

Não há nada como estar de cama para colocar as ideias em dia…com clareza e objetividade.

Um desabafo…pois os alunos são os principais prejudicados….

Eis  o Governo a convidar-nos a mentir.

Há já alguns anos que não vou ao Centro de saúde nem ponho os olhos no meu médico de família.

E isto por simples e compreensíveis motivos:

– Se desenvolvo uma gripe grave e necessito, com urgência, de oxigénio e de um injetável para me facilitar a respiração vou a uma clínica. (Graças a deus ainda posso)

– Se necessito de um teste do sono …vou a uma clínica do sono. Passo a noite ligada a elétrodos…enquanto noutra sala um técnico monitoriza os meus diversos estágios de sono….coisa que penso ainda não ter chegado ao Centro de Saúde….de Mangualde.

– Se os meus ossos quase me poem louca de dor …corro, em atroz sofrimento, a um ortopedista.

É ele quem me pede radiografias, é a ele que as mostro. É ele quem me prescreve a medicação, é ele quem, posteriormente, me faz o tratamento no consultório.

Do mesmo modo é ele quem me trata quando os meus polegares “não obedecem”… e me doem com’o caraças. Quando não consigo pegar numa caneta, pegar num prato, fazer um nó nos atacadores, calçar umas peúgas, escrever um SMS, conduzir e, ainda que em repouso, me torturam com dores…é ao meu ortopedista que me dirijo para me tratar ou proceder a uma cirurgia.

Mas o meu ortopedista, apesar de saber o quanto sofro, diz que não pode passar-me um atestado médico: depois de retirar líquido de um joelho e subsequentemente injetar no dito um medicamento para diminuir a inflamação e as dores diz-me que só pode recomendar gelo e repouso. Ora…gelo e repouso são incompatíveis com o ir dar aulas, certo?

Então o que é que o governo recomenda? Que vá ao Centro de Saúde pedir um atestado da minha triste situação clínica a um médico que não sabe, não viu, não tratou, não poderia tratar pois que não é especialista…que ateste que estou mal e preciso de repouso durante 1 dia ou 2.

Se isto não é falsear a Verdade…dizei-me, por favor, o que raio é!!!

Isto é fazer de conta…é mentir! Mas é assim que o Governo quer. À semelhança do que tem feito aos Portugueses…quer que sejam os Portugueses, nos seus atos do quotidiano a mentir.

Não seria mais sério ser o médico que me trata a passar o comprovativo da minha incapacidade temporária para comparecer ao serviço? Se ele é quem me diagnostica e me trata por que diabo há de ser um médico do Centro de Saúde a passar tal documento?

Ah… mas se é de suspeita que se trata… que haja fiscalização…. Dir-me-eis que é por isso que tem de ser um médico do Centro de Saúde? Repito- fiscalização.

Agora convidarem-me a participar numa mentira fazendo de conta que quem me tratou foi o meu médico….isso não.

As principais vítimas: os alunos

Vou-me arrastando e piorando o meu estado de saúde até “dar o berro”! E então em vez de os alunos ficarem 2 ou 3 dias sem aulas …depois ficam 20 dias ou mais. Atrasa-se sim todo o seu processo de aprendizagem…mas…não é isso que o governo quer? Quantos mais alunos com baixo aproveitamento melhor – dá-lhe “armas” para poderem implementar o ensino privado alegando que só assim os alunos podem aprender e que os “outros” são social e academicamente desadaptadas…Ólarilo-lé!!!

Ainda na passada 5ª feira me senti mal numa aula: os alunos estavam a fazer prova escrita e eu tinha de andar a circular pela sala. As dores eram tantas que me senti enjoada primeiro, e prestes a desfalecer, depois. Penso que tinha até alguma febre. Foram os alunos…eles mesmos, quem deram conta de que eu estava a ficar branca e me pediram que me sentasse.

Agora tenho aqui dezenas de provas escritas para corrigir…se as minha mãos me permitirem pegar numa caneta…Ontem tentei debalde. Hoje vou tentar novamente…

…estou  a ver que lá para o Verão terão as classificações das provas…. (por este andar…ou melhor…desandar!)