ai PASSOS.. AFINAL O DÉFICE VAI BEM

As aves agoirentas da PAF bem tentam falar no fim do mundo. Cada vez mais se percebe  que eventuais sanções serão uma forma de condicionamento da atividade do governo por parte da direita europeia e portuguesa.

Evolução do défice

O boneco é claro. O défice retirado dos efeitos sazonais, ou seja a evolução do  tal défice estrutural, , foi no 1º trimestre de 0,8%. Repare-se que nos anos anteriores é o mesmo indicador.

É evidente no segundo trimestre este valor vai subir, mas será sempre muito inferior aos anos anteriores. Obviamente que se os liberais derem indicações para nos ” lixarem” a coisa complica-se. tirando isso deixem-nos governar.

Aliás o Jornal de Negócios refere:

“No primeiro trimestre do ano o défice público nacional ajustado de efeitos de sazonalidade sobre a actividade económica e as contas públicas ficou em 368 milhões de euros, o equivalente a 0,8% do PIB, um valor que fica longe dos 1.406 milhões de euros efectivos (que correspondem a 3,2% do PIB).

O valor registado por Portugal é menos de metade do défice médio da Zona Euro que ficou nos 1,9% do PIB da região, e compara com 3,2% do PIB do défice ajustado de sazonalidade registado no primeiro trimestre de 2015.”

Portugal está num buraco fundo , diz o Economista britânico Philippe Legrain

Diário de Notícias

E diz mais o destruidor do Bruno:

“Polémicas à parte: que análise faz da atual situação económica e financeira portuguesa?

A economia portuguesa está a beneficiar de fatores externos positivos. Finalmente conseguiu travar o pânico do verão de 2012. Além disso, as políticas de quantitative easing do BCE têm feito baixar os custos dos empréstimos portugueses para mínimos históricos. A descida do preço do petróleo e um euro mais fraco também têm ajudado. Internamente, a extrema austeridade de 2011-12 foi aliviada: o aperto fiscal é muito menor neste ano. Como resultado a economia está a crescer outra vez, lentamente. Mas Portugal ainda está num buraco fundo. A economia está ainda 7,5% mais pequena do que no seu pico no início de 2008 – na verdade está mais pequena do que em 2002 – e ao nível atual de crescimento de 1,5% não vai voltar aos níveis de 2008 antes de 2020: mais de uma década perdida. As dívidas globais – das famílias e das empresas – são insuportavelmente grandes. Os bancos ainda estão numa confusão, com o escândalo do BES à cabeça. Os salários caíram. A pobreza aumentou. O desemprego continua altíssimo. Muitos portugueses emigraram. Ajustando para a população ativa que não tem trabalho e o subemprego, o FMI calcula uma redução do mercado de trabalho de 20%. O FMI também diz que as reformas portuguesas foram inadequadas e que ainda têm de produzir benefícios. Portugal é um país europeu relativamente pobre. Devia estar a aproximar-se dos mais ricos através de mais investimento e aumentando a produtividade. Em vez disso, está a posicionar-se para ser ultrapassado pela Polónia e outros. É trágico.”

A pior coisa feita por este governo não foram os cortes nem a austeridade.

Foi a forma como insultam cada cidadão diariamente. Foi fazer perder a nossa confiança no Estado. Foi destruir a rede social e familiar. Foi permitir a emigração de tantos jovens qualificados. Foi a destruição da Escola e de grande parte da SNS. Foi o ostracismo a que votaram o interior do país.

Portugal está a ser destruído como Nação, como estado livre e independente. E isso nunca lhes poderemos perdoar

Diálogo e Tolerância

Sim, diálogo e tolerância não foram apenas palavras para Nelson Mandela- foram muito mais que paravras, foram acões!

Poder-se -á dizer o mesmo da atuação deste governo nosso?

Onde está o diálogo? Ora pois, um diálogo para enganar os néscios mas que, no fundo….só deixa prevalecer a vontade de quem detém o poder.

Tolerância…”queredo”! Nem querem ouvir tal….É coisa que não existe no dicionário de suas excelências…. (reparai que coloquei em letra minúscula propositadamente)….

E depois ainda há alguns que têm a indecência e o despudor de insultar Mário Soares…

(inveja é coisa ruim…e pecado, já agora!)

E o governo faz exactamente o contrário

“Estado da situação

O PIB português está sensivelmente ao nível de 2000. A dívida pública em 130% do PIB e a taxa de desemprego acima de 16%. As taxas de juro de longo prazo mantêm-se em 6% apesar das ajudas do BCE. As contas externas melhoraram , porém não há razão para euforia porque a trajetória é igual à da Espanha e Grécia e resulta de uma brutal compressão da despesa.

As desigualdades aumentaram e o confisco das pensões fez que cada vez menos portugueses acreditem no Estado. A reforma da Segurança Social do anterior governo era considerada exemplar pela OCDE, porém nenhum português sabe com que reforma pode contar, o que não surpreende porque a Segurança Social assumiu obrigações com trabalhadores que anteriormente tinham um regime próprio, o desemprego subiu em flecha e o crescimento da economia caiu a pique.

O desenvolvimento do País requer mais investimento, mais qualificações, melhores instituições e sensibilidade social”

retirado do DN – ler o resto aqui

O que tenho eu vindo a dizer???

Portugal arrisca-se a ser um dos países mais desiguais do mundo se a política de austeridade prosseguir, preveniu hoje a organização não-governamental (ONG) Oxfam.

(…)A Oxfam nega qualquer eficácia às medidas de “redução cega da dívida”, que prejudicaram o crescimento e dispararam o desemprego para níveis recorde, cuja pertinência está a motivar um debate inclusive entre os seus promotores. Intitulado “A Armadilha da Austeridade”, o relatório destaca o agravamento das desigualdades, em benefício dos “10% mais ricos da população europeia”.

AQUI