Marcelo em Fagilde

Visita à barragem

Pois é senhor presidente desta vez a coisa não vai com beijinhos aos peixinhos.

Segundo a Lusa – publicado no expresso- “O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, mostrou-se esta sexta-feira espantado por a reserva de água da Barragem de Fagilde, que serve vários concelhos do distrito de Viseu, só ser suficiente para 20 dias de abastecimento.”

“Vinte dias, disse? Vinte dias é o final do mês de novembro, princípio de dezembro”, exclamou Marcelo Rebelo de Sousa, em conversa com os presidentes das Câmaras de Viseu e de Mangualde, Almeida Henriques e João Azevedo, respetivamente, durante uma visita à Barragem de Fagilde. João Azevedo explicou que, para restabelecer os níveis, teria de haver “500 camiões por dia a deitar água dentro da bacia da Barragem de Fagilde”.

Questionado pelos jornalistas sobre se tinha noção desta realidade, Marcelo Rebelo de Sousa disse ter-se apercebido dela ao ouvir, “nos últimos dias, as intervenções dos senhores presidentes de Câmara” e “quando ficou patente que afinal a chuva não vinha”.

O Chefe de Estado disse que a chuva que caiu “foi insignificante”, sublinhando a importância de se confirmarem as previsões de que “daqui a dez dias poderá chover”.

Os autarcas contaram a Marcelo Rebelo de Sousa que, como forma de fazer face à seca, chegam diariamente, em camiões cisterna, 500 metros cúbicos de água a Mangualde e 3.300 metros cúbicos a Viseu. “Tira ‘stress’ da barragem”, explicou João Azevedo.
Almeida Henriques admitiu que o secretário de Estado do Ambiente “tem sido inexcedível” a ajudar a resolver a situação, mas que esta operação está a custar “muito dinheiro” ao cofres da autarquia: 20 mil euros por cada um dos últimos dez dias no caso de Viseu.

“Nós temos uma margem entre os cinco mil euros e os 27 mil euros, com a previsão de termos cerca de 250 mil euros para usar, mas não temos capacidade para aguentar mais do que isto.

E o Governo tem que assumir esta responsabilidade”, frisou João Azevedo.

“O ano seco ficou patente quando se verificou, em setembro e depois em outubro, que não havia a chuva que muitos esperavam. Ninguém pensava que fosse setembro, outubro e estamos a avançar por novembro e tivéssemos a situação que temos”, lamentou.

A Barragem de Fagilde abastece 130 mil pessoas dos concelhos de Mangualde, Nelas, Viseu e Penalva do Castelo.

Abertura Oficial da Feira dos Santos

Abertura Oficial

A cidade de Mangualde volta a ser o palco de um evento secular, que anualmente recebe milhares de pessoas. Durante três dias, a Feira dos Santos retrata a tradição e a modernidade do concelho, numa iniciativa cheia de animação, cultura e costumes tradicionais. O evento arrancou hoje com a cerimónia de abertura oficial que teve lugar no Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado e contou com as intervenções do edil mangualdense, João Azevedo, e do Presidente da Turismo Centro de Portugal, Pedro Machado. O momento contou ainda com o espetáculo musical de Abel Moura e Isabel Silvestre.

Para João Azevedo “esta feira tem ganho notoriedade e projeção nacional. Tem crescido em qualidade e quantidade, abrangendo todos os setores de atividade. Isso dá força à nossa feira e à nossa terra. Queremos que a feira dos Santos sirva de pólo de atração para quem nunca veio a Mangualde”. Ideia reforçada por Pedro Machado que considera que “esta feira significa a valorização do turismo do interior. São eventos como este que ajudam a atrair pessoas para esta região do interior, valorizando o nosso território”.

ESTE FIM DE SEMANA, A ANIMAÇÃO, A CULTURA E A TRADIÇÃO JUNTAM-SE EM MANGUALDE PARA MAIS UMA EDIÇÃO ÚNICA

Momento do espectáculo musical

 Reforçar a identidade do concelho é um dos objetivos da Feira dos Santos, que todos os anos procura renovar-se. Trata-se de uma feira cosmopolita e de projeção nacional, pensada para os mangualdenses e turistas, com uma elevada dimensão comercial, cultural e social. O programa inclui iniciativas relacionadas com vários setores de atividade, característicos do município.

Durante este fim de semana, o Largo Dr. Couto vai acolher a Mostra de Freguesias de Mangualde, a exposição Mangualde Regional, a XII Mostra de Artesanato Nacional – Manguald´Arte e o espaço de recordação fotográfico “Eu estou na Feira dos Santos de Mangualde!”. A Feira dos Santos à Mesa vai deliciar os apreciadores da comida regional com uma ementa alusiva à iniciativa, que inclui enchidos da região, rojões à moda de Mangualde, febras à Feira dos Santos, requeijão com doce de abóbora, queijo da serra e vinho do Dão, disponível nos restaurantes aderentes (identificados com selo alusivo).

Os apreciadores de vinho também vão poder degustar os produtos locais no Dão Wine Party, no dia 4, e no IV Expovinhos Mangualde, nos dias 4 e 5, duas iniciativas que reúnem os produtores de vinho da autarquia no Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado.

O Encontro Nacional Produtores de Mirtilos decorre nos dias 3 e 4, no Complexo Paroquial de Mangualde. Já nos dias 4 e 5, o Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado vai receber showcookings pelos Chefs Hélio Loureiro, Lígia Santos e Paulo Cardoso com produtos locais, na iniciativa “Santos da Casa Fazem Milagres”.

Na Quinta Alpoim vai decorrer, nos dias 4 e 5, a Agromangualde, uma exposição de máquinas e alfaias agrícolas e será divulgada a fauna selvagem da região, promovida pela CERVAS/Associação Aldeia.

Ainda durante o fim de semana, a Rua 1.º de Maio vai ser o centro da Mangualde Motor, uma exposição de veículos das marcas Citroën, Seat, Ford e Volkswagen (também presente na Rua Dr. José Marques). Terá lugar ainda a Mangualde Transporte – ANTRAM, uma exposição de algumas marcas e modelos de camiões, e a Mangualde Indústria, uma exposição do tecido empresarial do concelho.

Sem esquecer as Artes & Ofícios, haverá pintura ao ar livre nos dias 4 e 5, no Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado e no Largo Dr. Couto, e ainda animação de rua nas várias artérias da cidade, através da Animangualde.

Começa hoje o transporte de água para Mangualde

Considerando a seca extrema e os níveis críticos da barragem de Fagilde, e de forma a garantir o normal fornecimento de água à população do concelho, a Câmara Municipal de Mangualde vai começar a transportar, a partir de hoje, água para consumo humano com recurso a camiões cisternas. Duzentos e cinquenta mil euros estão já disponíveis do orçamento municipal para o transporte de água em camiões cisternas bem como a logística necessária para o seu transporte.

Transporte de água

 “ÁGUA À POPULAÇÃO NÃO FALTARÁ!” GARANTE O AUTARCA JOÃO AZEVEDO

Para o edil João Azevedo “esta operação resulta de uma ação concertada entre os municípios de Mangualde, Viseu, Nelas e Penalva do Castelo que visa acima de tudo garantir o fornecimento de água às populações, um serviço público essencial à vida das pessoas.” Acrescentando, “temos vindo a acompanhar esta situação, mas a falta de chuva obriga-nos a atuar no imediato para evitar o colapso do sistema de abastecimento. Assim, o transporte de água para Mangualde começa já hoje, libertando assim alguma pressão da barragem de Fagilde para garantir que se prolongue o abastecimento de água a Mangualde, Viseu, Nelas e parte de Penalva do Castelo.”

 O Presidente da Câmara Municipal de Mangualde conclui “acautelámos o abastecimento de água à população do concelho de Mangualde para o pior dos cenários. Estamos ainda a estudar outras alternativas de uso de água para consumo humano. Esta operação pode vir a custar à autarquia cerca de 30.000 euros por dia podendo colocar em causa o equilíbrio orçamental do município, mas água à população não faltará!”

 O MUNICÍPIO DE MANGUALDE APELA À POPULAÇÃO PARA CONSUMOS MODERADOS DE ÁGUA DA REDE PÚBLICA E À SUA POUPANÇA. 

 

João Azevedo amanhã na quadratura do círculo

Amanhã com João Azevedo

Amanhã dia 26 poderemos ver o nosso presidente na “Quadratura do Círculo” – SIC, a comentar a atualidade com os “especialistas ” do costume.

Mais uma demonstração do peso institucional que João Azevedo tem vindo a ganhar.  . Certamente os incêndios estarão na orem do dia.

Dias 3, 4 e 5 de novembro feira dos santos: o ponto de encontro da tradição e da modernidade

Feira dos Santos

A cidade de Mangualde volta a ser o palco de um evento secular, que anualmente recebe milhares de pessoas. Durante três dias, a Feira dos Santos retrata a tradição e a modernidade do concelho, numa iniciativa cheia de animação, cultura e costumes tradicionais. O evento realiza-se nos dias 3, 4 e 5 de novembro (de sexta-feira a domingo), em vários locais.

 Reforçar a identidade do concelho é um dos objetivos da Feira dos Santos, que todos os anos procura renovar-se. Trata-se de uma feira cosmopolita e de projeção nacional, pensada para os mangualdenses e turistas, com uma elevada dimensão comercial, cultural e social. O programa inclui iniciativas relacionadas com vários setores de atividade, característicos do município.

Durante os três dias, o Largo Dr. Couto vai acolher a Mostra de Freguesias de Mangualde, a exposição Mangualde Regional, a XII Mostra de Artesanato Nacional – Manguald´Arte e o espaço de recordação fotográfico “Eu estou na Feira dos Santos de Mangualde!”. A Feira dos Santos à Mesa vai deliciar os apreciadores da comida regional com uma ementa alusiva à iniciativa, que inclui enchidos da região, rojões à moda de Mangualde, febras à Feira dos Santos, requeijão com doce de abóbora, queijo da serra e vinho do Dão, disponível nos restaurantes aderentes (identificados com selo alusivo).

Os apreciadores de vinho também vão poder degustar os produtos locais no Dão Wine Party, no dia 4, e no IV Expovinhos Mangualde, nos dias 4 e 5, duas iniciativas que reúnem os produtores de vinho da autarquia no Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado.

O Encontro Nacional Produtores de Mirtilos decorre nos dias 3 e 4, no Complexo Paroquial de Mangualde. Já nos dias 4 e 5, o Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado vai receber showcookings pelos Chefs Hélio Loureiro, Lígia Santos e Paulo Cardoso com produtos locais, na iniciativa “Santos da Casa Fazem Milagres”.

Na Quinta Alpoim vai decorrer, nos dias 4 e 5, a Agromangualde, uma exposição de máquinas e alfaias agrícolas e será divulgada a fauna selvagem da região, promovida pela CERVAS/Associação Aldeia.

Ainda durante o fim de semana, a Rua 1.º de Maio vai ser o centro da Mangualde Motor, uma exposição de veículos das marcas Citroën, Seat, Ford e Volkswagen (também presente na Rua Dr. José Marques). Terá  lugar ainda a Mangualde Transporte – ANTRAM, uma exposição de algumas marcas e modelos de camiões, e a Mangualde Indústria, uma exposição do tecido empresarial do concelho.

Sem esquecer as Artes & Ofícios, haverá pintura ao ar livre nos dias 4 e 5, no Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado e no Largo Dr. Couto, e ainda animação de rua nas várias artérias da cidade, através da Animangualde.

A abertura oficial do evento está marcada para sexta-feira, às 19:30, no Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado.

Programa

 Dia 3 (sexta-feira)

ABERTURA OFICIAL DA FEIRA DOS SANTOS 2017

19:30 | Mercado Municipal Dr. Diamantino Furtado

Clique em more para ver mais

Continue reading

Apoio a vítimas de incêndios – Informação da autarquia

Após os trágicos momentos que vivemos nos últimos dias, os Serviços Técnicos do Município de Mangualde estão a coordenar o levantamento de todas as necessidades da população mais afetada. Dada a imensa solidariedade demonstrada pelos cidadãos, associada a um grande e generoso movimento de dádivas de bens de primeira necessidade, a Câmara Municipal de Mangualde, vem informar que neste momento são prioritários os seguintes bens:

  • Roupas de cama;
  • Atoalhados;
  • Roupas interiores (pijamas, chinelos de quarto, etc.);
  • Produtos de higiene pessoal;
  • Utensílios de casa (tachos, pratos, panelas, etc.).

Todos estes bens devem ser entregues na Loja Social “Mangualde Social +” sita na Avenida Conde D. Henrique (Prédios da Rádio). Após a receção destes bens, e face à identificação existente das necessidades mais criticas, a Câmara Municipal fará chegar esses bens, diariamente, a quem deles necessitar.

 ELETRODOMÉSTICOS, MÓVEIS E OUTROS EQUIPAMENTOS NÃO SÃO OPORTUNOS DE MOMENTO

Neste momento não é oportuno a entrega de eletrodomésticos, moveis e outros equipamentos sem que antes se promova a reconstrução das habitações atingidas. Oportunamente, serão solicitados esses bens, de acordo com as necessidades, sem prejuízo de poderem indicar quais as intenções/disponibilidades para essas ofertas através do telefone 232619880 ou do email [email protected].

 OFERTAS DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A AGUARDAR AVALIAÇÃO NO TERRENO

Informamos ainda, que em breve, serão acolhidas as ofertas de material de construção, perante a avaliação e identificação das reais necessidades.

DISPONÍVEL APOIO PSICOLÓGICO A TODOS QUE NECESSITAM DE AJUDA

O Município informa ainda que disponibiliza apoio psicológico a todos/as aqueles/as que, tendo passado por uma situação traumática, necessitam de ajuda para a sua estabilização emocional, em virtude de terem sido confrontados com uma catástrofe, cujas consequências, pessoais e coletivas, são ainda difíceis de calcular e avaliar. Neste sentido, a psicóloga do município deslocar-se-á a alguns locais indicados:

Freguesia Localidade Dias Hora Local
União das freguesias de Mangualde, Mesquitela e Cunha Alta Mourilhe e Mesquitela Terças-feiras 10h00 – 12h00 Associação de Mourilhe
Espinho Localidades da Freguesia Quartas-feiras 10h00 – 12h00 Junta de Freguesia de Espinho

 

Não acredito em máfias do fogo

EM Vieira de Leira no Pinhal de Leiria uma zona controlada.

Sim temos incêndios com origem criminosa!
Sim temos incêndios com origem em meios humanos!
Sim existem interesses económicos no negócio do fogo! No combate, na madeira, em todos os setores.
Agora pensar que é tudo uma campanha de fogos postos, que existe uma máfia organizada a nível nacional, que são os rapazes da PAF a lançar fogos etc etc… isso não acredito.
Seriam precisos centenas e centenas de pessoas organizadas. E isso descobria-se, via-se, existiam falhas e eram apanhadas. O nosso grande problema é a desadequação entre sistema florestal, o ordenamento do território e as alterações climáticas. E por isso mesmo essa situação vai repetir-se, pois as mudanças demoram décadas.
Claro a juntar a isto tudo temos a tradicional desorganização dos serviços e a forma de ser dos portugueses: que só se preocupam quando as coisas acontecem.